segunda-feira, 21 de abril de 2008

Querido, você volta até quando não vem

Meu bem, não sei porque eu continuo com você
Se você nunca esteve comigo
E se o pouco que eu sei sobre quem você é
Aprendi com os seus amigos

Eu sei por quem andas, eu sei antes de você saber
E, se eu finjo surpesa, é na esperaça
De que eu ainda vá ser feita a sua presa
E desse jeito eu sei que você vai me ver

Não me importo com os seus passos, se no final
Você acabar em meus braços
Saber que você também tem esse desejo tão antigo
E nunca mais ter que te chamar de amigo

Quão comum é sentir raiva por estar a sua mercê
Quão comum é te odiar por tanto te querer
Mas, por mais que eu te esqueça
Me falta coragem de te deixar ir

Saiba que eu ainda te trago para junto de mim
Nós somos nós em momentos assim
E, logo depois, eu recomeço como eu
Saio por aí te cobrando o que você não prometeu

E eu já não sei mais viver sem essas crises
Imaginando se você sente falta da minha canção
Que eu fiz só para ver, como é falar o que eu sinto por você
Agora é só esperar o seu próximo deslize

Um comentário:

Rafael Damaso disse...

esse texto eu achei mto bonito... eu tava pensando em começar a colocar coisas nesse esquema... tenho-os prontos mas nao sei... fico com vergonha de postar esse tipo de coisa!!!